terça-feira, 23 de novembro de 2010

Verdades e mentiras sobre as câmaras de bronzeamento artificial

A Anvisa proibiu o aparelho tanto para a comercialização quanto para uso pessoal, baseando-se em pesquisas da Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer. As pesquisas apontam que pessoas com menos dos 35 anos, que se expõem ao bronzeamento artificial destas câmaras correm 75% mais riscos de desenvolver câncer de pele.
O equipamento funciona como um sol artificial, que emite raios UVA, estimulando a produção de melanina, que produzem pigmentação e conferem o aspecto bronzeado à pele. Caso as câmaras voltem mesmo à ativa, fique atento às verdades e mentiras com relação ao assunto
Pode causar câncer de pele.
Verdade. Estudos da OMS afirmam que a exposição às lâmpadas UVA aumenta em 75% os riscos do desenvolvimento de melanoma, tipo mais grave de câncer de pele, por meio de danos às células da pele. "Em geral, quem está habituado a fazer bronzeamento artificial também gosta de se expor ao sol, o que danifica ainda mais as células da pele", explica Meire Brasil Parada, dermatologista colaboradora da Unidade de Cosmiatria da Unifesp (SP). Outro erro que eleva os riscos é não fazer uso de filtro solar ao usar as câmaras.

Conserva a pele hidratada.Mito. De acordo com a especialista, a luz promove atrofia das células, diminuindo a hidratação da pele e aumentando a perda de água. "Além disso, a exposição danifica o colágeno, fazendo a pele perder a elasticidade e o tônus", completa.

Causa envelhecimento precoce da pele.Verdade. A falta de hidratação, as células danificadas, o colágeno destruído e a perda de elasticidade fazem com que a pele fique envelhecida, surgindo rugas precoces.

30 minutos de câmara equivalem a 30 minutos de exposição ao sol.
Mito. De acordo com a dermatologista, 10 minutos em uma câmara de bronzeamento artificial são equivalentes a cinco vezes o mesmo tempo de exposição solar em um dia quente, no horário de radiação solar intensa.

Falta de controle do tempo pode causar queimaduras.Verdade. Existe um teste para determinar o tempo de exposição à luz chamado DEM (Dose Eritematosa Mínima). O teste verifica qual a quantidade de exposição à luz para a pele ficar vermelha. Uma câmara que funciona em condições normais e com supervisão não pode provocar queimaduras. "É a radiação UVB e não a UVA a principal responsável por queimaduras solares", explica Carla Albuquerque, dermatologista e especialista do MinhaVida. "No entanto, como não existe uma regulamentação rígida que controle a fabricação e fiscalização destas máquinas, pouco se pode dizer da credibilidade desta fonte de emissão luminosa", completa a especialista.

O uso de medicamentos não influencia o uso da câmara.Mito. De acordo com Carla Albuquerque, há medicamentos que são fotossensibilizantes e, na presença de radiação ultravioleta, podem causar reações graves na pele. "Piroxicam, tetraciclinas, prometazina e griseofulvina são alguns exemplos", afirma.

Visão pode ser afetada.Verdade. Segundo a especialista do MinhaVida, a ausência de proteção adequada na exposição à radiação ultravioleta causa danos oculares, como ceratires, pterígio, catarata precoce e até envelhecimento precoce do epitélio da retina.

É o método de bronzeamento artificial que mais prejudica a saúde da pele.
Verdade. Por não deixar a pele vermelha, a radiação solar concentrada das câmaras de bronzeamento apresenta uma falsa sensação de "bronze seguro". "Sem ficar vermelha, fica difícil de saber a hora que a exposição está excessiva", explica Carla. A dermatologista aconselha o uso de autobronzeadores, que possuem o composto dihidroxiacetona, responsável pela coloração da camada córnea, área mais superficial da pele. "Vale lembrar que eles não conferem nenhuma proteção extra à pele e o filtro solar não deve ser dispensado quando houver exposição solar", alerta a especialista.


0 comentários:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget